Daily Archives

24 de janeiro de 2018

  • Soja: Após ganhos recentes, mercado inicia 4ª feira em campo negativo na Bolsa de Chicago

    As cotações futuras da soja iniciaram a sessão desta quarta-feira (24) em campo negativo na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais posições da oleaginosa testavam perdas testavam quedas de mais de 4 pontos, perto das 9h17 (horário de Brasília). O março/18 era cotado a US$ 9,81 por bushel, enquanto o maio/18 trabalhava a US$ 9,93 por bushel.

    Apesar do movimento negativo, as posições mais longas ainda mantinham o patamar de US$ 10,00 por bushel. De acordo com informações das agências internacionais, os preços exibem uma correção técnica depois das valorizações registradas recentemente.

    O clima na América do Sul, em especial na Argentina segue no radar dos participantes do mercado. As previsões climáticas ainda indicam condições adversas para o desenvolvimento da soja no país e a preocupação é com o efeito das intempéries climáticas no rendimento das lavouras.

    Fonte: Notícias Agrícolas

  • Nova regulamentação reduz dose de vacina contra a aftosa

    Nova dose será de 2 ml; instrução normativa do Mapa trata sobre a retirada do antígeno C, mas não trata sobre o uso da saponina.

    O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou nesta segunda-feira, 22, a nova regulamentação sobre a vacina contra a febre aftosa, cuja dose a ser aplicada no rebanho bovino brasileiro foi reduzida para 2 mililitros, ante 5 mililitros. O Regulamento Técnico para a Produção, Controle da Qualidade, Comercialização e Emprego do produto oficializa a retirada do antígeno C da formulação, mas não trata do uso da saponina. Segundo o Mapa, um dos principais objetivos na mudança da vacina será a injeção de menor volume de óleo mineral, com consequente redução de reações locais.

    A presença desta substância na composição da vacina gerou debates no ano passado, depois de a saponina ter sido apontada pelo setor produtivo como uma das causas da formação de abscessos na carne bovina – os nódulos presentes no produto exportado para os Estados Unidos fizeram o país suspender as compras em junho de 2017. Havia uma expectativa de que o governo fosse proibir seu uso. A nova vacina deve chegar ao mercado no primeiro trimestre de 2019, segundo expectativa da indústria.

    De acordo com o Ministério da Agricultura, testes sobre o uso da saponina estão em curso e por isso não foi definida ainda sua aplicação. Por outro lado, Emilio Salani, vice-presidente executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), afirma que, mesmo sem uma regra oficial, a indústria vai produzir a nova vacina – em doses de 2 mililitros e sem o antígeno C – sem a saponina.

    Ele ressalta que a substância não provoca nódulos na carne, mas a mudança será adotada para atender à demanda. “Não há uma causa única”, afirma. Não há de fato um consenso no mercado sobre a causa do problema. Outra suspeita é de que o nódulo seria uma consequência da aplicação incorreta da vacina ou ainda de falta de higiene no processo.

    Apesar de não tratar da substância, o regulamento publicado hoje define regras sobre questões como teste de tolerância aos quais as vacinas devem ser submetidas. “Quando administrada, a vacina não deve produzir sinais clínicos de febre aftosa ou qualquer reação indesejável local ou sistêmica na espécie alvo”, diz o documento.

    Fonte: Estadão Conteúdo

  • Início da colheita da safra 2017/2018 pressiona preços do farelo de soja

    Na comparação com o mês de janeiro de 2017, o farelo de soja está custando 10% menos neste ano.

    As revisões para cima na safra brasileira de soja, a queda do dólar em relação ao real e o início da colheita da safra 2017/2018 pressionaram para baixo os preços do farelo de soja no mercado interno na primeira quinzena de janeiro. Segundo levantamento da Scot Consultoria, em São Paulo, a tonelada do insumo ficou cotada, em média, em R$1.095,77, sem o frete.

    Farelo de soja
    Houve queda de 1,6% em relação a dezembro último no preço do farelo de soja, de acordo com a consultoria. Na comparação com janeiro do ano passado, o farelo de soja está custando 10,0% menos este ano. Em curto e médio prazos, a expectativa é de preços mais frouxos para o grão e farelo de soja , em função da maior disponibilidade com a colheita em andamento e aumento do esmagamento no país. Leia também: Abiove estima processamento recorde de 43 milhões de toneladas de soja em 2018.

    Segundo a Scot Consultoria, de qualquer forma, atenção ao clima no Brasil e na Argentina, à demanda mundial aquecida e ao câmbio, que são fatores que podem pontualmente interferir no mercado neste período de safra 2017/2018.

    Fonte: SF Agro