Daily Archives

26 de junho de 2018

  • Pesquisadores debatem estratégias de manejo em congresso de nematologia

    No domingo, 24 de junho, em Bento Gonçalves iniciou o 35º Congresso Brasileiro de Nematologia, o evento se estende até sexta-feira, 29 de junho. Nesta edição o Congresso teve como tema principal “Nematologia: Problemas emergentes e estratégias de manejo”.

    Os nematoides são responsáveis por grandes danos em diversas culturas e prejuízos bilionários, os nematoides atacam as raízes das plantas, limitando sua capacidade de absorção de água e nutrientes. Além das oito mil espécies que já foram catalogadas, novos gêneros vêm sendo descobertos a cada ano, fato que deve ser olhado com certa atenção por todos profissionais envolvidos no setor produtivo. Estima-se que os nematoides parasitos de plantas consomem aproximadamente 10% da produção agrícola global, levando a perdas econômicas anuais avaliadas, cautelosamente, em mais de U$125 bilhões. No Brasil, as nematoses estão entre as fitossanidades mais importantes nos cultivos a campo ou em sistema protegido.

    A Bayer, patrocinadora do evento, esteve presente no congresso com o intuito de de reforçar a mensagem sobre a importância do tratamento de sementes para o controle do nematoide.

    “O nematoide é microscópico, está na terra e não pode ser obervado a olho nu. Maneiras de preveção vem sendo muito trabalhadas nos últimos, por conta dos prejuízos que geram ao produtor rural. A rotação de cultivos é uma forma de prevenção, mas só ela não resolve. Sabemos do tamanho do problema e que apenas 5% das áreas com a praga são tratadas com defensivos”, ressalta Mário Lussari, gerente do SeedGrowth™ Center, área de tratamento de sementes da empresa.

    A área de tratamento de sementes da Bayer, SeedGrowth™ Center , também marcou presença durante o evento com a equipe para debater assuntos relacionados ao segmento, já que é uma das mais importantes fases da agricultura. “O tatamento da semente é primordial para que se tenha uma lavoura saudável e produtiva”, afirma Lussari. As quatro competências: produtos, serviços, recobrimentos e equipamentos serão discutidos no estande da empresa juntamente com pesquisadores e agricultores.

    Lussari afirma ainda que a empresa oferecerá o tratamento de sementes ao produtor rural de maneira diferenciada a partir de agora, sendo um benefício ao agricultor. “Vamos abrir um leque de opções para que o produtor possa escolher entre resgatar o serviço de tratamento de sementes por meio do programa de pontos da Rede AgroServices, receber o material tratado do multiplicador ou mesmo pelo distribuidor – por esse último, poderá receber a semente tratada industrialmente ou ter o tratamento feito na própria fazenda.

    Fonte: Agrolink

  • Soja: Mercado já conhece últimas informações da disputa comercial e se ajusta antes do USDA

    Segue a cautela no mercado internacional da soja no pregão desta terça-feira (26). Por volta de 12h40 (horário de Brasília), as cotações trabalhavam com oscilações de 0,25 a 1,25 ponto, com algumas, inclusive, sem apresentar variação, com o mercado ainda não tentativa de se ajustar após a intensa baixa da sessão anterior. Assim, o julho/18 valia US$ 8,74 por bushel, enquanto o setembro tinha US$ 8,84.

    Mais cedo, os futuros da oleaginosa chegaram até mesmo a registrar alguns ganhos, na tentativa, como explica o analista de mercado Bryce Knorr, do portal internacional Farm Futures, de amenizar as últimas perdas e consolidar uma recuperação. O movimento, no entanto, teve vida curta.

    As preocupações com a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos ainda não se dissiparam, porém, o mercado e os traders buscam retomar seu fôlego para as novas informações que estão por vir. Além disso, essa é semana de novos boletins do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) e os traders procuram ainda estar bem posicionados antes da divulgação dos novos números.

    Ao mesmo tempo, o que também segue como um limitante para uma recuperação mais expressiva das cotações é a questão climática nos Estados Unidos. Quase todo o Meio-Oeste americano conta com boas condições e um desenvolvimento satisfatório das lavouras 2018/19.

    De acordo com o reporte de acompanhamento de safras trazido pelo USDA no fim da tarde de ontem, são 73% dos campos de soja em boas ou excelentes condições. Há ainda 95% das lavouras em fase de germinação e 12% em fase de florescimento.

    “O fim de semana aqui no Cinturão Agrícola americano trouxe chuvas amplamente dispersas e, em algumas localidades, com totais pluviométricos expressivos. No atual momento, os níveis de umidade do solo da região são adequados para proporcionar o bom desenvolvimento vegetal”, diz o boletim diário da AgResource Mercosul.

    E para os próximos dias, as previsões continuam mostrando que as chuvas seguirão chegando em bons volumes e abrangência para manter, até este momento, a sanidade das lavouras norte-americanas.

    Fonte: Notícias Agrícolas