Daily Archives

24 de abril de 2019

  • Milho abre o dia estável na Bolsa de Chicago com comerciantes se preparando para o vencimento de maio

    A quarta-feira (24) começa com os preços internacionais do milho futuro operando praticamente estáveis e com leves altas em alguns contratos na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam movimentações máximas de 0,50 pontos por volta das 08h53 (horário de Brasília).

    O vencimento maio/19 era cotado à US$ 3,51, o julho/19 valia US$ 3,60 e o setembro/19 era negociado por US$ 3,68.

    Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, os preços do milho estão mais estáveis ​​nesta manhã, depois de negociados em uma faixa de apenas um centavo e um quarto durante a noite.

    “O volume está acelerado, mas a maior parte do comércio está chegando novamente em maio-julho, com os comerciantes se preparando para o vencimento das opções de maio na próxima sexta-feira, e o início das entregas na próxima semana”, aponta Knorr.

    Após as quedas das cotações de ontem, as notícias que os Estados Unidos e a China vão se reunir para semanas consecutivas de negociações comerciais ajudaram a finalmente elevar os ânimos da noite para o dia.

    Fonte: Notícias Agrícolas

  • Soja trabalha com leves altas em Chicago nesta 4ª feira após mínimas em 5 meses

    Os futuros da soja trabalham com leves altas na Bolsa de Chicago na manhã desta quarta-feira (24) na tentativa de se ajustar depois das baixas de mais de 15 pontos no pregão anterior. O mercado fez suas mínimas em cinco meses.

    Perto de 8h (horário de Brasília), os preços subiam pouco mais de 2 pontos, com o maior sendo cotado a US$ 8,64 e o agosto, US$ 8,84 por bushel.

    As previsões de condições melhores para o clima nos EUA nos próximos dias pesa sobre as cotações neste momento e o mercado se apega à estas previsões diante de um mercado esvaziado de novas notícias de outras frentes.

    “Os traders estão se pergutando agora o que poderá estabilizar o mercado neste momento. Um acordo comercial? Sinais de nova demanda? Problemas climáticos? O tempo irá dizer”, explicam on consultores da Allendale, Inc.

    O surto de peste suína na China que já dizimou milhões de porcos também é outro ponto de preocupação entre os traders, já que tem reduzido de forma considerável as compras de soja do país.

    Fonte: Notícias Agrícolas