Daily Archives

27 de maio de 2019

  • A cotação do milho vai continuar subindo? Veja perspectivas para a semana

    A previsão de chuva extra no cinturão produtor dos Estados Unidos nos próximos 15 dias, o que deve atrasar ainda mais o plantio, fez os preços futuros do milho atingirem os patamares mais altos em um ano.

    Na Bolsa de Chicago, os contratos com vencimento em julho tiveram alta de 3,72% na sexta-feira, dia 24, fechando a US$ 4,04 por bushel. Mas como as cotações vão se comportar na semana? O analista da consultoria Safras & Mercado Fernando Henrique Iglesias elenca fatos que merecem a atenção dos produtores. Confira:

    Os norte-americanos não devem plantar toda a área projetada, cerca de 92,8 milhões de acres (37,5 milhões de hectares). A perda de 4 milhões de acres — ou 1,6 milhão de hectares — já é evidente e está precificada;
    A expectativa é de que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indique, em seu relatório semanal, que o plantio atingiu entre 58% e 62% nesta semana. Falta uma semana para o fechamento da área;

    O que ainda não foi contabilizado pelo mercado internacional é o clima no Meio-Oeste até 10 de junho, que deve continuar péssimo, atrapalhando os trabalhos de campo;

    Os Estados Unidos devem racionar a exportação para manter a oferta interna na safra 2019/2020. Com isso, o Brasil pode aproveitar o momento e vender o máximo de volume possível para os embarques no segundo semestre;

    A questão do plantio atrasado não quer dizer produtividade menor na colheita. Mas a continuidade do excesso de chuvas deve atrasar a germinação, provocar falhas no número de plantas, reduzir a população por hectare e evidenciar um corte de potencial de produtividade;

    O atraso também cria tensão adicional sobre o clima no verão. Qualquer tempo quente e com pouca chuva na polinização vai adicionar problemas às lavouras;

    Contudo, estamos entrando no processo de colheita, destaca Iglesias. Quase 70 milhões de toneladas serão colhidas nos próximos 90 dias;

    A ordem é aproveitar a liquidez de exportação ao máximo e possibilitar um bom escoamento da segunda safra 2019. Para junho, é esperado recorde, com 1,7 milhões de toneladas programadas.

    Fonte: Canal Rural

  • Milho: Retração vendedora e demanda aquecida mantêm preços firmes

    Até o início de maio, as boas projeções para a temporada 2018/19 vinham pressionando as cotações de milho. Já nesta segunda quinzena do mês, a retração vendedora e a demanda mais aquecida passaram a dar suporte aos preços, que estão em ritmo de recuperação, de acordo com levantamento do Cepea. Nos portos, os valores também estão em alta. Neste caso, as recentes elevações do dólar frente ao Real, as negociações comerciais entre Estados Unidos e China, as dificuldades no semeio norte-americano e a disponibilidade elevada no Brasil favorecem as exportações nacionais.

    Fonte: Cepea

  • Soja: Demanda aquecida por farelo e óleo impulsiona negociações

    As maiores demandas interna e externa por farelo e por óleo de soja impulsionaram as negociações e os preços desses derivados. No caso do farelo, a procura doméstica vem especialmente do segmento de proteína animal. Quanto ao óleo, uma parcela das indústrias sinaliza ter comprometido o produto até meados de junho – a maior parte deve ser destinada à produção de biodiesel. De acordo com pesquisas do Cepea, a alta nos preços dos derivados esteve atrelada também à valorização da matéria-prima e à retração dos sojicultores domésticos na comercialização envolvendo grandes lotes. Além disso, o temor quanto à possível alteração na tabela de frete mínimo tem deixado traders receosos nas negociações de contrato a termo.

    Fonte: Cepea

  • Bolsas de Chicago e Nova York não operam nesta 2ª com feriado do Memorial Day

    Nesta segunda-feira, 27 de maio, comemora-se o feriado do Memorial Day nos Estados Unidos e, com isso, as bolsas de Chicago e Nova York não operam. Os negócios serão retomados nesta terça-feira (28), assim como também serão divulgados somente amanhã os relatórios semanais do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) de embarque de grãos e acompanhamento de safras serão divulgados somente amanhã.

    Fonte: Notícias Agrícolas