1

Manejo de ervas no inverno

Buscar alternativas que diminuam os custos, mantendo ou melhorando a eficiência do controle de plantas daninhas está diretamente ligado ao sistema integrado de práticas agrícolas. Pensando nisso, é importante atentar-se em alguns manejos:

Manejos de outono/inverno: meses de abril, maio e junho, atuar no controle de invasoras que sobraram pós-colheita, recém-emergidas e sementeira, diminuindo fluxo para primavera/verão.

Manejos de inverno/primavera: meses de agosto e setembro, controle de sobras da primeira época, preparando a lavoura para uma boa dessecação.

O controle de ervas daninhas no período de inverno se faz necessário principalmente para evitar competição com as culturas implantadas em nossa região como aveias em geral, trigo, pastagens implantadas de azevém ou aveia, canola, entre outras.Mesmo em áreas que não destinadas para algum cultivo de inverno, é importante que se faça o controle das ervas daninhas, pois precisamos entregar as áreas limpas para o cultivo da soja na sequência.

Na Cultura do trigo devemos estar atentos para o controle de folhas largas como Nabo e folhas estreitas como Azevém, além de outras espécies presentes nas áreas. O controle deve ser feito com produtos específicos e sempre seguindo as recomendações técnicas. Na cultura da Aveia e também nas pastagens, a atenção deve ser dada para o manejo de folhas largas.

O manejo de ervas daninhas deve ser realizado sempre com plantas pequenas, no máximo com 2 a 3 folhas, para que se tenha a melhor eficiência dos produtos a serem utilizados, já que após determinado estágio os herbicidas existentes não apresentam a mesma eficiência nas doses recomendadas. É de suma importância também que o manejo seja feito sem demora nas áreas, principalmente pelo intervalo e residual de determinados produtos na cultura da Soja, alguns apresentam intervalo mínimo de 60 dias. Se você ficou interessado em saber mais sobre as formas e a importância de um manejo feito com capricho, procure a equipe técnica da Cotrijuc Getagri.

Fonte: Bianca Portella e Felipe Vieira de Mello