1

Uso de soja tolerante ao dicamba aumentou

O uso de sementes de soja geneticamente modificadas e tolerantes ao dicamba aumentou rapidamente, beneficiando os adotantes, mas prejudicando as lavouras em alguns campos, informou o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Se deixadas sem tratamento, as infestações severas de ervas daninhas podem reduzir o rendimento da soja em mais de 50%.

À medida que o uso de sementes tolerantes ao glifosato se tornou mais comum, um número crescente de agricultores começou a usar glifosato, e apenas glifosato, para o controle de ervas daninhas na soja. Em alguns campos, um pequeno número de ervas daninhas naturalmente resistentes, de um pequeno número de espécies de plantas daninhas, sobreviveu (ou escapou) às aplicações de glifosato.

Uma maneira de controlar as ervas daninhas tolerantes ao glifosato é tratá-las com herbicidas diferentes do glifosato, como dicamba ou colina 2,4-D. As empresas químicas e de sementes desenvolveram recentemente novas variedades de soja que são tolerantes a esses herbicidas. Por exemplo, a soja Xtend, que é tolerante ao dicamba, foi comercializada em 2016. A soja, que é tolerante à colina 2,4-D, foi comercializada antes da estação de crescimento de 2019.

No entanto, o movimento fora do alvo do dicamba pode danificar outras plantas – particularmente a soja não tolerante ao dicamba, que é altamente suscetível ao dicamba, mesmo em doses muito baixas. Esse movimento geralmente ocorre quando gotículas de dicamba “flutuam” no nível do solo durante a aplicação, ou quando o dicamba se vaporiza após a aplicação, sobe na atmosfera e flutua centenas a milhares de pés na direção do vento.