Daily Archives

21 de outubro de 2019

  • Júlio de Castilhos quer virar referência de turismo natalino no centro do RS

    O município de Júlio de Castilhos fará uma programação especial para o Natal de 2019. O objetivo é virar uma referência de turismo natalino na região central do Estado. Entre as atrações da primeira edição do Natal dos Sonhos, estão esculturas natalinas gigantes, apresentações artísticas temáticas e guirlandas de material reciclável.

    A previsão, segundo a prefeitura, é que o custo do Natal dos Sonhos chegue a R$ 60 mil. O valor deve ser custeado pelo poder público e também pela iniciativa privada. Somente a locação das esculturas deve custar cerca de R$ 30 mil. Os demais valores serão investidos iluminação, shows e em uma feira, onde será comercializado artesanato e doces natalinos.

    As ações acontecerão entre os dias 15 e 25 de dezembro, a maioria delas no Parque João Vieira, no centro da cidade. O futuro “Parque do Natal” será todo enfeitado, com as esculturas gigantes e árvores iluminadas. A expectativa é que as 46 árvores que existem no local sejam adotadas e enfeitadas por empresas e entidades da cidade. Até agora, 15 delas já foram adotadas.

    A programação conta também com gastronomia, uma árvore especial com 12 metros de altura e apresentações do espetáculo Noite Feliz, um musical que conta a história do nascimento de Jesus.

    Para o material das guirlandas, a prefeitura já arrecadou, durante uma gincana, cerca de sete mil garrafas pet. O objetivo agora é conseguir mais materiais para fazer enfeites para os postes, pelo menos, das principais avenidas da cidade.

    O município realiza oficinas gratuitas de guirlandas com os moradores e, como contrapartida, o material confeccionado já fica para a decoração do Natal. A prefeitura busca também a oportunidade de fazer as atividades com detentos do Presídio de Júlio de Castilhos, de modo que os presos também tenham o benefício de redução de pena a partir dos serviços prestados.

    Confira o cronograma:

    -Natal dos Sonhos (15 a 25 de Dezembro)

    -Feira Natalina (18 a 24 de Dezembro)

    -Espetáculo Noite Feliz (20 a 23 de Dezembro)

    -Shows (20,21,22,23 e 25 de Dezembro)

    Existem várias maneiras de colaborar com o Natal: empresas sendo patrocinadoras, entidades adotando e iluminando uma árvore no Parque, população doando garrafas pet de 2 e 3 litros, para a confecção das 106 guirlandas, comerciantes e moradores das avenidas centrais da cidade iluminando suas fachadas (haverá concurso de melhor decoração natalina) e ainda compartilhando e divulgando as atividades que serão divulgadas oficialmente em breve.

    Não haverá cobrança de ingresso para os dias de eventos, mas será solicitado 1 kg de alimento não perecível que será doado para o Natal das famílias em situação de vulnerabilidade cadastradas na Assistência Social.

    Informações sobre o Natal dos Sonhos: 3271.9600 Ramal 220 ou pelo email: [email protected]

  • Colômbia aprova primeiro milho transgênico “sem patente”

    A Colômbia aprovou a sua primeira variedade de milho transgênico livre de patente e fabricado em um laboratório nacional. O Instituto Agrícola da Colômbia (ICA) autorizou esse cultivo nos vales dos rios Cauca, Magdalena, Orinoquia e Zona Café, com o objetivo de ter maior produtividade e menor exposição a pragas.

    A autorização foi concedida à Federação de Cultivadores de Cereais, Leguminosas e Soja (Fenalce), que desde 2014 pesquisa e desenvolve híbridos de milho, por meio do Centro de Pesquisa da Cadeia Agroalimentar de Cereais e Leguminosas (Cenicel), Grupo de Engenharia Genética Vegetal da Universidade Nacional da Colômbia e do Fundo Nacional de Cereais (FNC). A autorização é para a semeadura de sementes de milho geneticamente modificadas contendo o evento TC-1507. Estes foram desenvolvidos com tecnologias de melhoramento genético de plantas cujas patentes expiraram, também conhecidas como ‘código aberto’ (fora da patente).

    As regiões onde esse milho transgênico pode ser semeado são o Caribe úmido, os vales de Cauca, Magdalena, Orinoquia e Zona do Café, com altitudes entre 1.200 e 1.800 metros acima do nível do mar. Segundo Fenalce, os resultados bem-sucedidos obtidos nos processos de pesquisa, desenvolvimento e testes de campo permitiram à entidade de vigilância e controle dar lugar livre à semeadura comercial através da resolução 13025 emitida pela ICA em 26 de agosto.

    A tecnologia usada para desenvolver essas novas sementes híbridas de milho inclui introgressão, ou seja, o movimento de genes de uma espécie para outra, por métodos convencionais de melhoramento de plantas, assistidos molecularmente, com base em patentes que já expiraram.

  • Mais 500 toneladas de milho serão entregues a pequenos criadores do Estado

    Nesta semana, a Unidade Armazenadora da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em Rio Branco começou a receber as primeiras cargas de milho destinadas ao abastecimento do Programa de Vendas em Balcão (ProVB). Serão entregues aproximadamente 500 toneladas do produto neste lote contratado para ser removido dos estoques públicos em Sapezal/MT para o Acre.

    Com a conclusão das operações, cerca de 1,3 mil pequenos criadores cadastrados em 13 municípios do estado deverão ser beneficiados. São eles: Acrelândia, Bujari, Brasileia, Capixaba, Feijó, Manoel Urbano, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Sena Madureira, Senador Guiomard, Tarauacá e Xapuri.

    O ProVB é executado na Unidade Armazenadora de Rio Branco, localizada nas mesmas instalações da Sede da Superintendência Regional da Conab, e destinado a criadores e agroindústrias de pequeno porte, para que tenham acesso aos estoques oficiais do governo por meio de vendas diretas e a preços compatíveis com os do mercado atacadista local. No estado, cada criador pode comprar até 10 toneladas por mês. Os beneficiados são pequenos criadores de aves, suínos, bovinos, caprinos, ovinos, entre outros.

    A saca de 60kg está sendo comercializada a R$ 43,20 no estado. Para participar do programa é necessário fazer um registro prévio no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais (Sican). A seguir, o criador pode ir à Unidade Armazenadora da Conab, levando copia do RG e CPF, além de comprovante da identificação, endereço e qualificação de suas atividades e escala de produção/consumo.

    A Conab aceita documentos de outros órgãos de extensão rural ou das entidades de classe pertinente. No caso dos criadores de bovinos, também é necessária a apresentação de comprovante de vacinação do rebanho contra a febre aftosa. O pagamento é realizado à vista, via Guia de Recolhimento da União (GRU).

  • Plantio de soja avança no Brasil e tira atraso ante média histórica

    O plantio de soja no Brasil avançou para 22,8% da área estimada no país na safra 2019/20, tirando um atraso inicial ante a média histórica para o período, informou nesta sexta-feira a consultoria Arc Mercosul em nota.

    Em uma semana, o plantio aumentou 13,3 pontos percentuais, ficando levemente acima da média de 22,7% para esta época do ano, segundo dados da Arc Mercosul.

    No entanto, os trabalhos ainda estão atrasados frente ao mesmo período do 2018, quando o maior exportador global de soja havia plantado 35,9% da área projetada, beneficiado por mais chuvas do que neste ano.

  • Primeiras lavouras implantadas estão apresentando boa emergência

    O período de plantio de soja no Estado ocorre entre 11 de setembro e 31 de dezembro, de acordo com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático para a cultura no Rio Grande do Sul, ano-safra 2019-2020, definido pela Portaria nº 76, de 11/07/2019. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (17/10), o plantio da soja está iniciando lentamente, com algumas áreas plantadas nas regionais de Ijuí, Santa Rosa e Soledade.

    Nas regiões da Emater/RS-Ascar de Ijuí e de Soledade, as primeiras lavouras implantadas estão apresentando boa emergência e os produtores concentram-se na dessecação de áreas. Há incidência de lagartas de solo (Elasmopalpus lignosellus) e lagarta-rosca (Agrotis ipsilon), sendo necessário adicionar inseticida no momento da dessecação das áreas. Já na região de Santa Rosa, a semeadura da cultura deverá ser intensificada a partir da segunda quinzena de outubro, culminando com maior percentual de área a ser plantada na primeira semana de novembro.

    A estimativa da Emater/RS-Ascar para a safra de soja 2019-2020 indica uma área de 5.956.504 hectares, um aumento de 1,93% em relação à safra anterior e uma produção estimada de 19.746.793 toneladas. Isso resulta em uma produtividade de 3.315 quilos por hectare.

    No milho, a semana fecha com 68% da área plantada, com avanço de 10% em relação à semana anterior. A estimativa da Emater/RS-Ascar para a safra de milho 2019-2020 indica uma área de 771.578 hectares, aumento de 1% em relação à safra anterior, e produção estimada de 5.948.712 toneladas. Isso resulta em produtividade de 7.710 quilos por hectare. Segundo o zoneamento agroclimático para o milho, definido pela Portaria nº 59, de 01/07/2019, o período de plantio ocorre entre o início de agosto e o final de janeiro.

    CULTURAS DE INVERNO
    Trigo – No Rio Grande do Sul, 4% das lavouras encontram-se em fase de floração, 47% estão na fase de enchimento do grão, 42% estão em maturação e 7% das lavouras foram colhidas, em especial nas regiões de Santa Rosa, Ijuí e Frederico Westphalen. As produtividades variam entre 3.100 e 3.300 quilos por hectare, com PH acima de 78. Nesta safra, a área estimada pela Emater/RS-Ascar para o cultivo do trigo é de 739,4 mil hectares, o que corresponde a 37% da área brasileira de plantio com o grão.

    Canola – A produção de canola nos 32,7 mil hectares plantados no RS tem mantido a expectativa de rendimento médio de 1.258 quilos por hectare. No período, a cultura se encontra com 39% em enchimento de grãos, 24% em fase de maturação e 37% das lavouras já foram colhidas.

    Cevada – A área cultivada com cevada no RS, de acordo com a estimativa da Conab, responde por 36,6% da área da cultura no país. Na área de 42,4 mil hectares implantada no Estado, a Emater/RS-Ascar identificou rendimento de 2.073 quilos por hectare. Atualmente, o cultivo se encontra em floração (8%), enchimento do grão (47%) e em maturação (37%). As lavouras colhidas já atingiram 8% da área com a cultura.

    Aveia branca – A área estimada pela Emater/RS-Ascar com plantio de aveia branca para grão no RS é de 299,9 mil hectares, correspondendo a 78,8% da área estimada pela Conab para o Brasil. No Estado, 7% das lavouras se encontram em floração, 30% em enchimento do grão, 40% em maturação e 23% das lavouras já foram colhidas. A produtividade esperada é de 2.006 quilos por hectare.

    Aveia preta – Na região Central, a aveia preta apresenta expressiva área plantada, 17.620 hectares. Dentre os municípios que se destacam nesse cultivo estão Vila Nova do Sul, com 4 mil hectares, seguido de Jari, 3.500 hectares, e Capão do Cipó, com 3.200 hectares.

    OLERÍCOLAS
    Cebola – Na Serra, todas as variedades estão em desenvolvimento vegetativo, recebendo tratos culturais. Alguns produtores iniciaram a colheita de variedades superprecoces. Já na região Sul, a cultura segue em fase de bulbificação, apresentando bom estado sanitário. Produtores realizam tratamentos fitossanitários para prevenção das doenças, principalmente o míldio. O início da colheita na região está previsto para o final de outubro.

    Aipim/mandioca – Nas regiões da Fronteira Noroeste e Missões, o plantio da maior parte das lavouras de mandioca foi finalizado. Nas propriedades onde ainda são observados remanescentes de material propagativo, a implantação das lavouras deverá ocorrer mais tarde, quando a temperatura do solo é maior. Nas primeiras lavouras implantadas, é efetuada a capina para controle das invasoras e são observadas a formação de bom estande e as boas condições de sanidade das plantas. Produtores seguem realizando a colheita das lavouras de mandioca da safra passada.

    FRUTÍCOLAS
    Banana – O Litoral Norte do RS responde com 98% da área cultivada com bananas. A fruta está em colheita, com produtividade aproximada de dez toneladas por hectare; a qualidade é boa.

    Citros – Na região do Vale do Rio Pardo, os citros estão em final de floração e pegamento dos frutos. Em alguns pomares, é intenso o ataque de pulgões nas brotações novas; dependendo do nível de incidência, o manejo é necessário. Seguem a colheita de bergamota Montenegrina, Murcott e de laranja Valência e os tratamentos fitossanitários para antracnose e estrelinha.

    Pêssego – No Alto Uruguai, variedades mais precoces como PS e Chimarrita começam a ser colhidas, apresentando boa qualidade. Na região Serrana, variedades de ciclo superprecoce vêm sendo colhidas, com frutos apresentando bom calibre e coloração. As variedades de ciclo precoce estão em estágio de maturação fisiológica e com boa sanidade. Já as variedades de ciclo médio encontram-se em crescimento dos frutos, brotação abundante, sendo iniciado o raleio; as variedades tardias, em fase de flor limpa e frutos em crescimento. Os pomares em geral apresentam boa sanidade. É realizada a aplicação de fungicidas.

    Na região Sul, 99% da cultura do pêssego está em frutificação, ocorrendo de forma desuniforme. Seguem intensas as atividades de raleio em pomares e cultivares em que este manejo é necessário. Produtores também realizam tratamentos fitossanitários de frutificação e aplicam a adubação. Iniciou a colheita das cultivares mais precoces, para consumo in natura, como Precocinho, Conserva 1104 e Libra. O preço de comercialização está entre R$ 3,00 e R$ 4,00/kg no mercado local, variando em razão da qualidade, do tamanho e da coloração da fruta.

    PASTAGENS E CRIAÇÕES
    As condições climáticas continuam favoráveis ao desenvolvimento mais intenso dos campos nativos. Assim, eles vão melhorando as condições alimentares e nutricionais dos rebanhos. No caminho oposto, as pastagens cultivadas de inverno, que chegam ao período final de seu ciclo produtivo, vão diminuindo a massa verde, tornando-se fibrosas e perdendo qualidade.

    Também favorecidas pelo clima, as pastagens cultivadas perenes de verão, como as braquiárias, panicuns e tíftons, começam a crescer de forma mais intensa. Por sua vez, as pastagens cultivadas anuais de verão, como milheto, sorgo forrageiro e capim sudão, estão em fase de preparo de solo ou de implantação, apresentando um bom desenvolvimento inicial. Os produtores que fazem a integração lavoura-pecuária continuam desocupando áreas destinadas ao cultivo de soja.

    APICULTURA – Com boas floradas disponíveis, há grande atividade nas colmeias, gerando expectativa de uma ótima colheita de mel. Visando aumentar a produção, os apicultores executam práticas como revisões e roçadas de apiários; limpeza e/ou reforma de caixilhos, melgueiras e ninhos; instalação de caixas-isca para captura de enxames.

    Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar