Daily Archives

15 de março de 2021

  • ÚLTIMOS DIAS DO VERÃO COM CARACTERÍSTICAS TÍPICAS DA ESTAÇÃO: AQUECIMENTO DIURNO E PANCADAS DE CHUVAS PELO BRASIL

    O verão acaba oficialmente no próximo sábado, dia 20, e até lá, todas as regiões do país terão dias típicos da estação, com aquecimento diurno e pancadas de chuva acontecendo principalmente entre os períodos da tarde e noite. A partir da próxima semana, de forma gradual, todas as regiões passarão pela fase de transição entre verão e outono.

    Segundo Andrea Ramos, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), áras de instabilidade seguem ativas no Centro-Oeste e também no Matopiba. A atuação da Zona de Convergência Intertropical favorece a formação de nuvens carregadas na parte norte do país, sobretudo no Maranhão, que deve receber as precipitações mais expressivas nas próximas 24 horas.

    Em relação aos volumes esperados, o modelo Cosmo, também do Inmet, prevê chuvas entre 20mm e 30mm em todo estado do Maranhão. Ainda no Matopiba, Piauí e Tocantins também têm previsão de chuvas, porém com volume mais baixo. O Oeste da Bahia deve permanecer com tempo seco.

    Já no Centro-Oeste, as chuvas mais expressivas seguem previstas para o Mato Grosso. A tendência é de chuvas de até 30mm nas regiões central e norte do estado. O modelo mantém ainda a umidade para Goiás e Mato Grosso do Sul, que devem acontecer em formas de pancadas no final do dia.

    Na região Sudeste do Brasil, a tendência também é de chuvas típicas de verão. O modelo Cosmo mantém chuvas com volumes baixos para São Paulo, extremo sul de Minas Gerais e Rio de Janeiro. “Algumas nuvens vão passar ao longo da semana sobre o estado de São Paulo, mas o sol vai predominar. As temperaturas seguem elevadas, com máximas em torno dos 30°C na maioria das regiões, inclusive na capital”, complementa a previsão da Climatempo.

    A semana começa com tempo seco e altas temperaturas na região Sul do Brasil. Segundo as previsões da Climatempo, os padrões devem mudar entre terça e quarta-feira (16) com avanço de um sistema de baixa pressão para a região.

    “Com isso, no Rio Grande do Sul, a expectativa é de tempo instável, com chuva durante a quarta-feira. O céu fica cheio de nuvens e há condições para temporais. As áreas do sul e leste do estado devem registrar rajadas de vento”, afirma a consultoria.

    Fonte: Notícias Agrícolas

    https://www.noticiasagricolas.com.br/

     

  • Atualizada plataforma de monitoramento de soja por satélite

    A plataforma de monitoramento de soja por satélite, chamada de SojaMaps, passou por atualização. A tecnologia desenvolvida pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) permite uma visão das áreas de soja do Brasil utilizando técnicas avançadas de sensoriamento remoto em nuvem.

    Na atualização foram acatadas sugestões de usuários de diversas partes do país e do mundo. O software permite agora a interação com os dados das áreas cultivadas com a cultura da soja e verificar se a saúde da planta e variáveis climáticas foram adequadas para a produção.

    Usuário pode interagir com os resultados mensais na plataforma e também a partir de dados como dados de seca, evapotranspiração e modelos de vegetação. A nova versão da plataforma conta também a partir de agora com dados atualizados ao longo do tempo do índice de vegetação EVI (Enhanced Vegetation Index) para qualquer lugar do estado de Mato Grosso. Essa série-temporal é capaz de mostrar para o usuário mudanças significativas no uso do solo, principalmente a conversão para agricultura.

    Uma novidade bastante aguardada é que, a partir de abril será disponibilizada a nova plataforma SpaceAgro. Este novo recurso trará aos usuários a capacidade de interagir com dados de uso do solo e clima para os dados vetoriais de seu interesse.

    Os dados da safra de soja 2020/2021 serão inserida no próximo mês, visto que a colheita no Mato Grosso ainda se encontra em andamento em boa parte do estado devido as altas ocorrências das chuvas.

    O SojaMaps foi criado no ano de 2015 como um projeto de extensão e de pesquisa do laboratório de Geotecnologia Aplicada em Agricultura e Floresta (GAAF), da Unemat, campus de Sinop (MT).

    Fonte: AGROLINK

    https://www.agrolink.com.br/