1

Entenda a importância do controle parasitário integrado em meses de temperatura e umidade do ar elevadas

Estudos indicam que as perdas econômicas relacionadas a parasitos podem atingir cerca de U$ 14 bi por ano no Brasil

Nos meses de temperatura e umidade do ar elevadas, o controle parasitário integrado torna-se crucial para assegurar a sanidade e o bem-estar do rebanho na bovinocultura. Estudos científicos indicam que as perdas econômicas relacionadas a parasitos externos e internos, como carrapatos, bicheiras e vermes, podem atingir cerca de U$ 14 bilhões por ano no Brasil, considerando queda na produção leiteira, danos ao couro e perdas de peso.

Octaviano Pereira Neto, médico-veterinário e gerente técnico da Elanco Saúde Animal, destaca que o controle parasitário é um desafio constante para os pecuaristas, especialmente durante as altas temperaturas e umidade. Ele enfatiza a importância de adotar um protocolo de combate integrado capaz de lidar simultaneamente com diferentes parasitos.

“Manejar um grande número de cabeças é uma operação complicada. O produtor que implementa o cuidado sanitário integrado economiza tempo, dinheiro e aumenta a produtividade, além de reduzir o estresse do animal”, afirma Octaviano. Ele defende o controle parasitário integrado como peça-chave para a produtividade do rebanho, otimizando investimentos em nutrição, o maior custo para os pecuaristas.

A Elanco oferece o EzatectTM, uma solução que reúne moléculas como abamectina, doramectina e ivermectina, cada uma focada em um parasito específico. Essa formulação exclusiva, aliada a uma tecnologia de solubilização pioneira, proporciona ação eficaz, duradoura e excreção residual rápida. Octaviano destaca a importância de uma administração simples e fácil, sendo o EzatectTM de dose única e injetável, facilitando o manejo na fazenda.

Além da estratégia integrada, Octaviano ressalta a importância do manejo preventivo, incluindo higienização das instalações, nutrição adequada e hidratação. A Elanco também capacita técnicos para apoiar a gestão de informações e acompanhar os resultados obtidos no controle parasitário integrado. “A gestão de dados é fundamental para a revisão de condutas e equações de aplicação”, conclui o médico-veterinário.

Fonte: https://www.canalrural.com.br/