AGRO

  • RS: SEGUE PLANTIO DA SOJA INICIADO NOS ÚLTIMOS DIAS

    Nas regiões administrativas da Emater/RS-Ascar de Ijuí, Santa Rosa, Porto Alegre, Santa Maria, Soledade, Bagé, Frederico Westphalen e Pelotas, produtores iniciam a semeadura da soja. A elevada umidade no solo durante praticamente toda a semana não permitiu avanços significativos.

    De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e divulgado nesta quinta-feira (21/10) pela Gerência de Planejamento (GPL) da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), os produtores seguem com dessecações e preparo de novas áreas e se organizam com o escalonamento do plantio a fim de minimizar os impactos de períodos de estiagem previstos nos modelos climatológicos. Em algumas localidades, sojicultores estão lavrando e gradeando as áreas devido à alta infestação de ervas de difícil controle com herbicidas, aproveitando a atividade para aplicar e incorporar calcário.

    O tempo instável no Estado restringiu os avanços no plantio do milho, que alcançou 70% da área total cultivada, estando em germinação e desenvolvimento vegetativo. O custo de produção se elevou significativamente, em especial devido à alta no preço dos fertilizantes. Os valores pagos pelo tratamento extra ou complementar nas sementes de milho para o controle da cigarrinha também contribuem para o maior custo de produção.

    Na semana, predominaram dias nublados, com temperatura quente durante o dia e mais baixa à noite. Em algumas localidades, as chuvas foram fortes, de elevado volume, acompanhadas de ventos e granizo, promovendo assim danos às lavouras. Por conta da umidade, a colheita do trigo avançou de forma lenta no Estado, chegando a 9%, outros 51% da área cultivada está em fase de maturação, 35% em enchimento de grãos e 5% em floração.

    OLERÍCOLAS

    Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, o período foi marcado por temperaturas elevadas durante o dia e baixas na madrugada. Houve uma sequência de dias chuvosos, diminuindo a necessidade de irrigação, mas dificultando outras operações de manejo na olericultura. Na Fronteira Oeste, em Manoel Viana, produtores aproveitaram períodos secos para semear culturas de verão – abóbora, moranga, pepino e tomate. As culturas de inverno estão sendo colhidas e comercializadas na Feira do Produtor, que retomou atividades e frequência semanal. Parte dos produtores já atendem clientes fixos na cidade e aproveitam o mesmo dia para entrega de produtos. As escolas estaduais e municipais organizaram calendário semanal de entrega com agricultores familiares participantes do Pnae.

    Na regional administrativa da Emater/RS-Ascar de Ijuí, avança a colheita de pêssego, com aumento da produtividade nas cultivares de ciclo médio em virtude de não terem sofrido danos com as geadas no final de julho. Há baixo pegamento de frutos dos citros em geral. Seguem em desenvolvimento as culturas do melão e melancia; as primeiras lavouras implantadas encontram-se em início de floração.

    PASTAGENS

    As áreas de campo nativo continuam incrementando a oferta de forragem, favorecida pela boa disponibilidade de umidade no solo, luminosidade e elevação das temperaturas registradas em parte da semana. Nos Campos de Cima da Serra, estão com bom desenvolvimento, aumentando significativamente a oferta.

    As pastagens anuais de inverno estão em final de ciclo, mas azevéns tetraploides com manejo adequado da adubação e pastoreio controlado ainda oferecem boa oferta de volumoso, mesmo com algumas plantas emitindo estruturas reprodutivas nas áreas com baixa lotação de animais. As pastagens de aveia estão com ciclo praticamente encerrado, resultando em baixa disponibilidade de massa verde de qualidade reduzida.

    Fonte: AGROLINK

    https://www.agrolink.com.br/

  • O QUE VAI MEXER NO PREÇO DA SOJA?

    A pergunta que todos estão de olho neste início de semana é justamente essa: O que pode mexer e ditar tendência nos preços da soja nos próximos trinta dias? De acordo com a Consultoria TF Agroeconômica, o primeiro grande fator é o novo relatório mensal de acompanhamento do quadro de Oferta & Demanda mundial do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

    Por outro lado, ressalta a Consultoria Agroeconômica, com qualquer número do relatório, o clima desempenhará um papel muito importante, daqui para frente: “Primeiro, sobre a safra americana que foi plantada em maio último e que sofreu alguns períodos de seca. Segundo, sobre as safras sul-americanas do Brasil, Argentina e Paraguai, que iniciarão os seus plantios assim que a colheita dos Estados Unidos começar”.

    “E o clima – quase sempre imponderável – pode determinar uma maior ou menor oferta, afetando drasticamente os preços. Então, tanto no caso do relatório do USDSA quanto do clima, há que se esperar”, concluem os analistas de mercado.

    Fonte: AGROLINK

    https://www.agrolink.com.br/

  • PORQUE SUBIRAM OS PREÇOS DE INSUMOS NO BRASIL?

    A alta do dólar norte-americano em relação ao brasileiro Real, bem como o aumento nos custos internacionais de matérias-primas e transporte estão entre as causas da elevação do preço dos insumos agrícolas no Brasil. A explicação foi dada por Christian Lohbauer, presidente Executivo da CropLife Brasil (CLB), ao portal especializado AgroPages.

    De acordo com Christian Lohbauer, o cenário econômico global “continua sob o impacto das restrições impostas pela pandemia de Covid-19. Entre outros aspectos, a crise sanitária mundial tem causado escassez de ativos básicos e, consequentemente, aumento nos custos de matérias-primas para a produção de insumos agrícolas como sementes, fertilizantes e defensivos”.

    “Os preços de matérias-primas, inclusive para embalagens (papelão e resinas), foram bastante impactados. O mesmo aconteceu com o custo logístico internacional”, explica o presidente Executivo da CropLife Brasil.

    Ele afirma que os insumos agrícolas sofrem impacto das dinâmicas do mercado internacional, especialmente, quando envolvem fornecedores importantes como a China e a Índia: “Para se ter uma ideia, o valor do frete marítimo da China para o Brasil praticamente triplicou nos últimos meses devido à falta de navios e contêineres para transporte. E a tendência é de que estes preços sigam aumentando nos próximos meses”.

    “Desde 2020, essa conjunção de fatores vem causando significativo aumento nos custos de produção de insumos agrícolas no Brasil. No entanto, a indústria não vinha repassando a elevação de custos para os produtos comerciais. Prova disso, é que os preços dos defensivos químicos no mercado interno, por exemplo, subiram apenas 1,4% entre as safras 2019/20 e 2020/21”, conclui.

    Diversas companhias agroquímicas brasileiras enviaram comunicados aos seus clientes avisando da majoração de preços de seus produtos. Uma delas foi a FMC, que explicou ao AgroPages que mandou a carta para “contextualizar todos a respeito dos constantes aumentos de custo de produção de insumos agrícolas e, com transparência e respeito, comunicar que fará reposicionamento de preços”.

    “A mensagem teve o caráter de fortalecer a parceria e, reforçar que essas medidas são necessárias para manter na cadeia de produção e distribuição, o compromisso com a demanda dos agricultores, para que possamos, juntos, continuar contribuindo com o agronegócio de forma sustentável”, disse a FMC.

    Fonte: AGROLINK

    https://www.agrolink.com.br/

  • LAVOURAS E PECUÁRIA TÊM MAIOR AUMENTO EM 30 ANOS

    O Ministério da Agricultura divulgou o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de maio. O montante é de R$ 1,11 trilhão. A cifra é 11,8% superior ao obtido em 2020, que foi de R$ 993,9 bilhões. O bom desempenho é reflexo na maior alta de lavouras e pecuária dos últimos 32 anos. Lavouras aumentaram 15,8% e a pecuária, 3,8%.

    Alguns grupos têm tido desempenho negativo, como a batata-inglesa, café, feijão, laranja, tomate, uvas e na pecuária, leite, suínos e ovos. Isso ocorre devido a efeitos de menores preços ou de menores quantidades produzidas.

    Apesar de terem existido períodos de seca que afetaram lavouras, como milho e feijão, os preços têm contribuído para reduzir esse impacto. Esses efeitos foram sentidos, principalmente, no Paraná e em Mato Grosso. O milho foi particularmente prejudicado. A segunda safra, que é a mais importante, teve uma redução em relação a 2020, de 5 milhões de toneladas, e menor produtividade de grãos.

    O crescimento do VBP pode ser atribuído, como destacado em relatórios anteriores, ao excepcional desempenho das exportações de soja em grãos e carnes, preços favoráveis e a safra de grãos, que apesar de problemas de falta de chuvas ocorridos, mesmo assim as projeções da Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab) e do IBGE são de uma safra expressiva.

    Os dados regionais do VBP continuam mostrando a liderança de Mato Grosso com participação de 17,2% no valor, Paraná 13,2%, São Paulo 11,2%, Rio Grande do Sul 10,8%, e Minas Gerais 10%.

    O VBP mostra a evolução do desempenho das lavouras e da pecuária ao longo do ano e corresponde ao faturamento bruto dentro do estabelecimento. Calculado com base na produção da safra agrícola e da pecuária e nos preços recebidos pelos produtores nas principais praças do país, dos 26 maiores produtos agropecuários do Brasil.

    Fonte: AgroLink

    https://www.agrolink.com.br/

  • SOJA CAI FORTE NESTA 2ª EM CHICAGO COM NOVA DESPENCADA DO ÓLEO E CLIMA NO CORN BELT

    O mercado da soja tem baixas agressivas nesta manhã de segunda-feira (14) na Bolsa de Chicago, dando início à mais uma semana com foco nas questões climáticas no Meio-Oeste americano. “O mercado de grãos caia forte na abertura durante a noite deste domingo diante das previsões mostrando um tempo mais úmido nos EUA nos próximos 8 a 14 dias. O calor também parece estar menos intenso. No entanto, os próximos dias ainda deverão ser, em sua maioria, mais secos”, disse a especialista internacional Karen Braun.

    Assim, por volta de 7h35 (horário de Brasília), as cotações cediam entre 26,25 e 35 pontos, com o recuo mais intenso sendo observado nos contratos mais distantes. Assim, o julho já operava abaixo dos US$ 15,00 – depois de ter tocado nos US$ 16 na semana passada – e era negociado a US$ 14,82 por bushel. Já o novembro tinha US$ 14,02.

    O novo boletim semanal de acompanhamento de safras do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) chega nesta segunda-feira, após o fechamento do mercado, e poderá mostrar o plantio da soja já concluído. Assim, as atenções seguem sobre as condições das lavouras norte-americanas.

    Os pontos de atenção, no entanto, continuam sendo as Dakotas e Minnesota. Há relatos da necessidade de replantio  por diversos produtores, as chuvas seguem limitadas e os traders permanecem atentos.

    Além do clima, o mercado da soja em grão continua sendo pressionado também pelas queda dos futuros do óleo, que nesta segunda-feira se aproximam de 4% mais uma vez, dando continuidade à despencada da última sexta (11). Assim, caem também os preços do farelo de soja, mais de 1% na CBOT.

    “Na sexta-feira, circularam  rumores de fontes ligadas ao presidente Joe Biden de que o mesmo estaria estudando possível redução nos mandatórios de biocombustíveis, o que poderia reduzi a demanda por óleo de soja e também por milho. Essas reduções, caso venham a ser implementadas, poderiam, momentaneamente, reduzir a pressão sobre os estoques americanos, o que vem se traduzindo em forte pressão de venda desde a última sexta”, explica a Agrinvest Commodities.

    Fonte: Notícias Agrícolas

    https://www.noticiasagricolas.com.br/

  • AGRO PUXA RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA DO RS

    Depois de um 2020 difícil na economia e com reflexos de uma severa estiagem, o Rio Grande do Sul vive recuperação. O responsável por puxar o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado foi o agronegócio. No primeiro trimestre deste ano a economia gaúcha avançou 5,5% enquanto a brasileira cresceu 1%.

    Já no comparativo com o último trimestre de 2020, o crescimento geral foi de 4%. Os desempenhos da agropecuária tiveram alta de 35,7%. Os números foram divulgados pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG).

    Nas exportações a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) aponta alta de 57,1%, em maio, ante o mesmo mês do ano passado, totalizando US$ 1,2 bilhão. No acumulado de 2021, as vendas externas alcançaram US$ 4,9 bilhões, um avanço de 26,1% na comparação interanual.

    As maiores altas foram na indústria, como Alimentos, 36,4%; Químicos, 62,6%; Celulose e papel, 126%; e Máquinas e equipamentos, 96,5%. Também se destacaram Couro e calçados, com elevação de 105,5%, produtos de metal, 51,9%; e veículos automotores, 42,5%. A única exceção foi tabaco, com queda de 8,4%.

    Em relação aos destinos das vendas externas do RS, em comparação a maio de 2020 ocorreu grande aumento dos embarques totais para a China (50,9%). Mesmo com a fraca redução observada nas exportações da indústria de Alimentos para a economia asiática no mês, as vendas de soja em grãos (+US$ 317,8 milhões) garantiram esse avanço.

    Fonte: AGROLINK

    https://www.agrolink.com.br/

     

  • COMO PESQUISA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA CONTRIBUÍRAM PARA UMA SAFRA RECORDE NO RS

    Conforme a RTC o estado colherá mais de 20 milhões de toneladas de soja nesta safra

    O conhecimento é um bem valioso e indispensável para superar os desafios relacionados a agricultura. Compartilhar e difundir as informações obtidas torna-se essencial para obter resultados efetivos na produção de alimentos. Por esse motivo, pesquisa e assistência técnica uniram forças e criaram em 2018 a Rede Técnica Cooperativa – RTC, um movimento que une tecnologia, experimentação agrícola e difusão de conhecimento para o fortalecimento dos produtores rurais cooperados.

    Conforme dados da RTC, nesta safra o Rio Grande do Sul (RS) deve colher mais de 20 milhões de toneladas de soja. Esse volume é o maior já produzido da oleaginosa no estado, e deve representar um avanço de mais de 80% em relação a safra anterior, onde a produção da soja foi prejudicada pela estiagem. Para o Gerente de Pesquisa da CCGL (Cooperativa Centra Gaúcha Ltda.) e coordenador da RTC, Geomar Mateus Corassa, esses dados confirmam o trabalho desenvolvido pela Rede vem sendo efetivo.

    – Buscar rentabilidade é o plano principal desenvolvido pelas 31 cooperativas gaúchas que participam da RTC, que desenvolvem e compartilham conhecimento oriundo dos seus campos experimentais localizados em todo o RS. Os estudos são conduzidos de forma conjunta entre o departamento técnico da cooperativa e a equipe de pesquisadores da CCGL. Os resultados gerados se traduzem em recomendações técnicas para os mais de 160 mil produtores associados e anualmente contribuem para o aumento da produtividade no campo – explica Geomar.

    Apesar do número positivo, o Engenheiro Agrônomo da Cotribá, Fernando Müller relata que o primeiro cenário era de dificuldade para safra. – Tivemos problemas já nas culturas de inverno, onde o clima mais seco e as geadas prejudicaram as culturas da época. Durante o plantio da soja, iniciado em outubro de 2020, houve falta de chuva no mês de novembro, o que atrasou o plantio em diversos municípios – relembra Fernando.

    – O trabalho conjunto entre pesquisa e assistência técnica foi decisivo para  contornar as adversidades. Os profissionais receberam diversos treinamentos e pesquisas foram conduzidas durante o período. Após o cenário de dificuldades a distribuição de chuvas melhorou e favoreceu o desenvolvimento da cultura, na fase vegetativa, floração e enchimento de grãos e oportunizou resultados mais rentáveis – destaca o Engenheiro Agrônomo da Cotribá

    O Engenheiro Agrônomo e Diretor Técnico da Cotrisel, Marcelo Sbicigo salienta que este trabalho vem construído com muita dedicação e o que o uso tecnologia usada de forma aplicada pelas cooperativas é parte importante deste resultado. – Os investimentos em pesquisas e capacitações dos profissionais que atuam junto aos produtores são decisivos para os avanços na lavoura. Hoje contamos com maquinários modernos, drones, aplicativos, imagens de satélites, indicadores de previsão do tempo em nível de talhão, informações privilegiadas na palma da mão que facilitam o gerenciamento da propriedade, mensuração e assertividade no processo, fortalecendo o elo de confiança entre produtor e técnico.

    O Engenheiro Agrônomo e Coordenador Técnico da Cotricampo, Rodolfo Richter reforça o comprometimento das cooperativas para manter os produtores rurais bem informados mesmo em época de pandemia, onde as pesquisas seguiram sendo conduzidas nos campos experimentais da RTC e a informação chegou através de  eventos online, vídeos, boletins e redes sociais.

    Rodolfo tem como perspectiva que o produtor aproveite esse conhecimento e analisa o cenário agrícola futuro: – O próximo passo é manter o trabalho que vem sendo desenvolvido, aliando teoria e prática e aproveitando o ensinamento que a última safra nos proporcionou. Precisamos ter cuidado com os manejos, fazer uma boa análise do solo e usar com precisão as plantas de cobertura, estar atento a todas as mudanças e inovações, buscando elevar ainda mais a produção no estado na próxima colheita.

    Segundo o Presidente da CCGL – cooperativa matriz da RTC, Caio Vianna a safra recorde reforça a importância das cooperativas para o crescimento econômico do Rio Grande do Sul. – A RTC é um sistema intercooperativo que está presente em todo o processo agrícola, são mais de mil profissionais, que auxiliam o produtor nas tomadas de decisões na lavoura. A colheita de 20 milhões de toneladas de soja e as boas cotações do mercado são sinais da força do cooperativismo, que representa metade da safra colhida no estado. Os resultados devem avançar ainda mais com a implementação da Smartcoop (plataforma digital das cooperativas) – reforça o Presidente.

    Para os produtores rurais associados da Cotrijuc Mauro Machado da Silva e  Carlos Manfio Júnior, o trabalho desenvolvido pela RTC foi essencial para os resultados obtidos na safra de soja 2020/2021.

    – Os dados gerados pela rede trazem mais segurança, economia, assertividade para o produtor. Através de estudos ficamos sabendo qual a melhor semente, qual o melhor produto, ou seja, a orientação está embasada em pesquisa, sem interesse comercial e de forma idônea. Um comprometimento de práticas e processos, que aliados com a capacidade de se moldar durante os problemas de clima e de aplicar a tecnologia resultam em números cada vezes mais altos e impressionantes na colheita – resume Mauro.

    – Acredito que três fatores são decisivos para a produção, o clima, aumento da área cultivada da oleaginosa em novas fronteiras do nosso estado e as boas práticas agrícolas. Não temos controle sobre o clima, mas nos outros dois fatores a pesquisa e assistência técnica são responsáveis pelo resultado, com profissionais qualificados e com produtores interessados em aumentar a produtividade, para poder ter viabilidade no negócio. A pesquisa possibilita novas tecnologias, novas alternativas para melhorar o solo, com adubação mais precisa, correção da acidez, e rotação de culturas e cultivo em áreas de várzea. Temos cultivares adaptadas as diferentes condições de solo e clima, nosso manejo é robusto e usamos os melhores produtos. A assistência técnica faz a ligação entre a pesquisa e o produtor, que muitas vezes não consegue ter acesso a todas as novas informações. O somatório de todo esse conjunto possibilitou o estado chegar neste número recorde – comemora, Júnior.

    Texto e Foto: ASCOM CCGL

     

     

  • AGROPECUÁRIA TEM MAIOR GERAÇÃO DE EMPREGO NO 1º TRIMESTRE DESDE 2007

    A agropecuária gerou no primeiro trimestre de 2021 um saldo positivo de 60.575 novos postos de trabalho, o melhor resultado para o período desde 2007, quando foram criadas 62.245 vagas de emprego.

    A análise está no Comunicado Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e foi feita com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados ontem pelo Ministério da Economia.

    Segundo a CNA, houve geração de empregos em quase todas as regiões no acumulado de janeiro, fevereiro e março deste ano. As regiões Sudeste (44.477) e Centro-Oeste (11.668) foram as regiões que mais criaram vagas no período. A exceção foi o Nordeste, que fechou 7.530 postos.

    São Paulo liderou a geração de empregos nos três primeiros meses de 2021, com 36.146 novas vagas, o que representa 59,7% do total de vagas do setor. Em seguida aparece Minas Gerais, com 7.467 vagas (12,3% do total). No Nordeste, a Bahia foi o único estado com saldo positivo: 3.085 vagas (5,1% do total).

    Por atividade agropecuária, as três atividades que mais criaram empregos foram: o cultivo da soja (12.656), cultivo de frutas de lavoura permanente, exceto laranja (10.722), criação de bovinos (9.782). Juntas, estas culturas responderam por 54,7% do total.

    Texto: CNA

    https://www.cnabrasil.org.br/

  • COLHEITA DA SOJA CHEGA A 91% NO BRASIL.

    A colheita dos 38,6 milhões de hectares de soja semeados no Brasil está em 91%, segundo levantamento da consultoria Safras & Mercado. Isso ainda representa um leve atraso se comparado ao volume colhido em 2019/2020 e a média histórica. Ao todo, 3 estados já terminaram os trabalhos e outros três estão com 99%.

    Na safra 2019/2020 o ritmo de colheita até o dia 23 de abril era de 94,3% e na média dos últimos 5 anos o ritmo é de 93,3%.

    Por enquanto apenas três estados terminaram a colheita da soja, e isso aconteceu na semana passada: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná.

    Outros três estão com 99% e devem terminar ainda esta semana, caso o clima colabore: Goiás, São Paulo e Minas Gerais.

    O Rio Grande do Sul ainda é o estado que menos área recolheu e o mais atrasado na comparação ao ano passado. Até o momento o estado colheu 65% da área, contra os 92% de 2019/2020 e os 81,6% da média dos últimos 5 anos.

    Rio Grande do Sul

    A colheita da soja avançou um pouco esta semana e chegou a 61% da área de 6 milhões de hectares no Rio Grande do Sul, segundo levantamento da Emater-RS. Na semana anterior o ritmo era de 54%. Esta foi uma das menores taxas de evolução da colheita desde o início dos trabalhos, apesar de o clima ter colaborado para a retirada da soja.

    Fonte: Canal Rural | Soja Brasil

    https://www.canalrural.com.br/

  • EMATER/RS-ASCAR E SECRETARIA DA AGRICULTURA LANÇAM ESTIMATIVA FINAL DA SAFRA DE VERÃO

    Com uma produção de 24,6 mi de toneladas, o Rio Grande do Sul vai colher nesta safra de verão (2020/2021) 59,24% a mais do que na safra anterior (2019/2020). Destaque para a soja, que tem um incremento na produção de 80,02%, passando de 11,2 mi de toneladas para 20,2 mi de toneladas nesta atual safra, e de produtividade (76,63%%), com rendimento projetado de 3,32 toneladas por hectare, em área de 6 milhões de hectares, apenas 1,56% maior que no ano anterior.

    As estimativas finais da Safra de Verão 2020/2021 foram divulgados pela Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e a Emater/RS-Ascar na manhã desta quinta-feira (25/03), em Coletiva de Imprensa Virtual. Mais de 270 pessoas acompanharam o lançamento das estimativas através de transmissão pelo Facebook e pelo YouTube da Emater/RS-Ascar.

    Participaram do evento o secretário estadual da Agricultura, Covatti Filho, o presidente e o diretor técnico da Emater/RS, Geraldo Sandri e Alencar Rugeri, além de extensionistas, imprensa e representantes de entidades do setor agropecuário do RS.

    Safra Excepional

    Para o secretário Covatti Filho, o Rio Grande do Sul é um dos principais estados na produção agropecuária do Brasil. “É uma alegria apresentarmos esses números muito significativos, pois estamos batendo recordes e temos muito bons relatos da colheita”, disse, ao ressaltar a importância do “fortalecimento do Agro, que está dando respostas positivas nesse momento de pandemia”.

    O presidente da Emater/RS, Gerando Sandri, comemorou “os números expressivos que se refletirão na vida dos gaúchos”. Ele ressaltou “a grande parceria com as diretorias da Seapdr, liderada pelo secretário Covatti, defensor da Emater”, e parabenizou agricultores, pecuaristas e entidades parceiras da agropecuária, além da pesquisa, das federações, “e às políticas públicas, que chegam até as propriedades rurais através da Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) da qual representamos, dando vazão aos serviços pelos quais somos contratados”, disse Sandri, que estendeu os parabéns aos extensionistas envolvidos na coleta e divulgação das informações.

    Segundo o diretor técnico da Emater/RS, Alencar Rugeri, a safra deste ano está “excepcional”. Os dados apresentados foram coletados na primeira quinzena de março. “É importante ressaltar que estão baseados na tendência apresentada pelas produtividades médias municipais registradas nos últimos dez anos e, por isso, estão muito acima do resultado obtido na última safra, prejudicada pela estiagem”.

    Confira a estimativa final dos grãos de verão no RS:

    • Soja
      • Área: 6 milhões ha (+1,56%)
      • Produção: 20,20 milhões ton (+80,02%)
      • Produtividade: 3,32 ton/ha (+76,63%)
    • Milho Grão
      • Área: 796,2 mil ha (+5,9%)
      • Produção: 4,32 milhões ton (+4,16%)
      • Produtividade: 5,43 ton/ha (-2,97%)
    • Feijão 1ª safra
      • Área: 37,4 mil ha (+1,23%)
      • Produção: 51,5 mil ton (-4,87%)
      • Produtividade: 1,37 ton/ha (-6,34%)
    • Feijão 2ª safra
      • Área: 23,4 mil ha (+0,82%)
      • Produção: 31,5 mil ton (+19,80%)
      • Produtividade: 1,34 ton/ha (=14,1%)
    • Milho Silagem
      • Área: 351,8 mil hectares (-0,66%)
      • Produção: 9,82 milhões ton (+8,84%)
      • Produtividade: 27,9 ton/ha (+9,33%)

    Fonte: Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural – Seapdr

    https://www.agricultura.rs.gov.br/inicial