mercado comercial

  • Mercado Comercial

    Preços para hoje: 07/11/2019
    Soja: R$ 77,50
    Milho: R$ 35,00
    Trigo PH 78 ou + : R$ 38,00

    Mercado (06/11/19): Janeiro -6,75 ponto a US$ 9,27 por bushel / Março -6,5 ponto a US$ 9,40 por bushel.

    Dólar (06/11/19): +2,22% à R$ 4,082.

    “…Monotonia do mercado desestimula gestores de fundos na manutenção das posições em commodities agrícolas. A falta de atividade política na “reconciliação comercial” entre EUA e China adiciona sérias dúvidas sobre a possibilidade da assinatura da “Fase 1 do Acordo Comercial” – prometida há quase 2 meses. A atenção do mercado brasileiro ficou sobre os leilões de direito de uso de alguns campos de extração de petróleo. O Governo esperava arrecadar um total de R$107 bilhões com a venda das concessões, entretanto apenas 66% deste total foi levantado por compras da estatal Petrobrás. Empresas privadas que estavam listadas no leilão não conseguiram o arremate e não demonstraram interesse nas demais opções disponíveis. O Governo brasileiro continua na necessidade de elevar o caixa com capital estrangeiro.

    CLIMA – AMÉRICAS

    Clima; volta das chuvas sobre as regiões do Centro-Sul do Brasil que sofriam com severas secas por dias, e semanas em alguns casos. Além do mais, o Paraguai, que vem presenciando faltas de chuvas desde o início de plantio, deve se beneficiar desta rodada de precipitações nos próximos 5 dias..”

    Pregão noturno agora: Janeiro +2 ponto a US$ 9,29 por bushel / Março +1,5 ponto a US$ 9,42 por bushel.

  • Mercado Comercial

    SOJA
    A semana começou em passos lentos, com os especuladores evitando entrar no mercado mais fortemente devido ao relatório de Oferta e Demanda Mundial do USDA, que será publicado nesta quinta feira, dia 10.

    No geral, o mercado espera uma redução na oferta de grãos norte-americana, o que poderá gerar um movimento altista logo após a divulgação do relatório. Entretanto, qualquer ganho de mercado não deverá ser duradouro, já que a falta de demanda pela soja americana continua sendo um fator de peso para as cotações no longo prazo. A neve chega por regiões remotas dos Estados Unidos, principalmente nos estados vizinhos ao Canada.

    Alguns pequenos talhões de soja e milho são afetados com a intempérie, entretanto ainda não há escala suficiente para ameaçar a safra nacional como um todo. Fundos continuam empilhados no lado das vendas para as principais commodities agrícolas, entretanto o momento de reversão tem sido gradual.

    BOLETIM SEMANAL USDA
    O USDA atualizou seu boletim semanal de acompanhamento de safras, que apurou 14% das lavouras de soja nos EUA foram colhidas, contra 7% da semana anterior. As lavouras em condições boas e excelentes tiveram recuo de 2 pontos percentuais em relação à semana passada ficando em 53%. Sobre o milho, o departamento informou que o índice de lavouras em bons e excelentes estados acabou recuando de 57% para 56%. Em condições ruins/péssimas estão 15% das lavouras, índice também pior que o da semana passada que era de 14%. A área colhida de milho avançou de 11% na semana anterior para os atuais 15%, portanto abaixo dos 19% estimados pelo mercado.

    CLIMA NO BRASIL 
    O fim de semana foi marcado por chuvas sobre algumas porções do sudoeste de Goiás, centro do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e toda a região Sul do Brasil. Os índices pluviométricos foram observados entre 5 e 30 mm para tais regiões. Entretanto, ainda há regiões de produção chave no Centro-Oeste brasileiro que ainda não receberam nenhum sinal de precipitações para a atual safra. Nos próximos dias, uma corrente de ar frio empurra chuvas em um “corredor” que vai desde o noroeste do Mato Grosso até o sul de Minas Gerais. Todo o lado sul de Goiás e o norte de São Paulo serão beneficiados por totais entre 10 e 40 mm até o dia 12 de outubro. Entretanto, as leituras para a segunda metade do mês são desanimadoras, com chuvas concentrando apenas no Paraná́, Santa Catarina e Rio Grande do Sul..”