soja

  • COLHEITA DA SOJA CHEGA A 91% NO BRASIL.

    A colheita dos 38,6 milhões de hectares de soja semeados no Brasil está em 91%, segundo levantamento da consultoria Safras & Mercado. Isso ainda representa um leve atraso se comparado ao volume colhido em 2019/2020 e a média histórica. Ao todo, 3 estados já terminaram os trabalhos e outros três estão com 99%.

    Na safra 2019/2020 o ritmo de colheita até o dia 23 de abril era de 94,3% e na média dos últimos 5 anos o ritmo é de 93,3%.

    Por enquanto apenas três estados terminaram a colheita da soja, e isso aconteceu na semana passada: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná.

    Outros três estão com 99% e devem terminar ainda esta semana, caso o clima colabore: Goiás, São Paulo e Minas Gerais.

    O Rio Grande do Sul ainda é o estado que menos área recolheu e o mais atrasado na comparação ao ano passado. Até o momento o estado colheu 65% da área, contra os 92% de 2019/2020 e os 81,6% da média dos últimos 5 anos.

    Rio Grande do Sul

    A colheita da soja avançou um pouco esta semana e chegou a 61% da área de 6 milhões de hectares no Rio Grande do Sul, segundo levantamento da Emater-RS. Na semana anterior o ritmo era de 54%. Esta foi uma das menores taxas de evolução da colheita desde o início dos trabalhos, apesar de o clima ter colaborado para a retirada da soja.

    Fonte: Canal Rural | Soja Brasil

    https://www.canalrural.com.br/

  • CONAB ELEVA SAFRA DE GRÃOS A 273 MILHÕES DE TONELADAS

    A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou, na quinta-feira (8), o 7º levantamento da safra brasileira de grãos. A marca é recorde. A safra 2020/21 deverá somar 273,8 milhões de toneladas, volume nunca atingido na história do país. O crescimento em relação à safra anterior é de 6,5% ou 16,8 milhões de toneladas a mais.

    A área total de plantio registra um crescimento de 3,9% sobre a safra anterior, com previsão de alcançar 68,5 milhões de hectares. Esse volume conta com a participação de cerca de 20 milhões de hectares provenientes das lavouras de segunda e terceira safras e as de inverno, que ocuparão a pós-colheita da soja e do milho primeira safra.

    No caso da soja, que tem o Brasil como maior produtor mundial, o volume deve alcançar novo recorde, estimado em 135,5 milhões de toneladas, 8,6% ou 10,7 milhões de toneladas superior à produção da safra 2019/20.

    O milho total também sinaliza  produção recorde, com a previsão de atingir 109 milhões de toneladas e crescimento de 6,2% sobre a produção passada. Serão produzidas 24,5 milhões na primeira safra, 82,6 milhões na segunda e 1,8 milhão na terceira safra.

    Por outro lado, a produção de arroz deve sofrer redução de 0,8% frente ao volume colhido na safra anterior, obtendo 11,1 milhões de toneladas. Para o algodão, a produção estimada é de 6,1 milhões de toneladas do produto em caroço, correspondendo a 2,5 milhões de toneladas de pluma.

    Quanto ao feijão, é esperado crescimento de 2% na produção, somando-se as três safras, totalizando 3,3 milhões de toneladas. A primeira safra tem a colheita praticamente concluída, a segunda está em andamento e a terceira com o plantio a partir da segunda quinzena de abril.

    Completam os números do levantamento também o amendoim, com  produção total de 595,8 mil toneladas e crescimento de 6,9%, e o trigo, cujo plantio  deve ser intensificado a partir do próximo mês, mas já sinalizando uma produção de 6,4 milhões de toneladas.

    Fonte: AGROLINK

    https://www.agrolink.com.br/

  • EMATER/RS-ASCAR E SECRETARIA DA AGRICULTURA LANÇAM ESTIMATIVA FINAL DA SAFRA DE VERÃO

    Com uma produção de 24,6 mi de toneladas, o Rio Grande do Sul vai colher nesta safra de verão (2020/2021) 59,24% a mais do que na safra anterior (2019/2020). Destaque para a soja, que tem um incremento na produção de 80,02%, passando de 11,2 mi de toneladas para 20,2 mi de toneladas nesta atual safra, e de produtividade (76,63%%), com rendimento projetado de 3,32 toneladas por hectare, em área de 6 milhões de hectares, apenas 1,56% maior que no ano anterior.

    As estimativas finais da Safra de Verão 2020/2021 foram divulgados pela Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e a Emater/RS-Ascar na manhã desta quinta-feira (25/03), em Coletiva de Imprensa Virtual. Mais de 270 pessoas acompanharam o lançamento das estimativas através de transmissão pelo Facebook e pelo YouTube da Emater/RS-Ascar.

    Participaram do evento o secretário estadual da Agricultura, Covatti Filho, o presidente e o diretor técnico da Emater/RS, Geraldo Sandri e Alencar Rugeri, além de extensionistas, imprensa e representantes de entidades do setor agropecuário do RS.

    Safra Excepional

    Para o secretário Covatti Filho, o Rio Grande do Sul é um dos principais estados na produção agropecuária do Brasil. “É uma alegria apresentarmos esses números muito significativos, pois estamos batendo recordes e temos muito bons relatos da colheita”, disse, ao ressaltar a importância do “fortalecimento do Agro, que está dando respostas positivas nesse momento de pandemia”.

    O presidente da Emater/RS, Gerando Sandri, comemorou “os números expressivos que se refletirão na vida dos gaúchos”. Ele ressaltou “a grande parceria com as diretorias da Seapdr, liderada pelo secretário Covatti, defensor da Emater”, e parabenizou agricultores, pecuaristas e entidades parceiras da agropecuária, além da pesquisa, das federações, “e às políticas públicas, que chegam até as propriedades rurais através da Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) da qual representamos, dando vazão aos serviços pelos quais somos contratados”, disse Sandri, que estendeu os parabéns aos extensionistas envolvidos na coleta e divulgação das informações.

    Segundo o diretor técnico da Emater/RS, Alencar Rugeri, a safra deste ano está “excepcional”. Os dados apresentados foram coletados na primeira quinzena de março. “É importante ressaltar que estão baseados na tendência apresentada pelas produtividades médias municipais registradas nos últimos dez anos e, por isso, estão muito acima do resultado obtido na última safra, prejudicada pela estiagem”.

    Confira a estimativa final dos grãos de verão no RS:

    • Soja
      • Área: 6 milhões ha (+1,56%)
      • Produção: 20,20 milhões ton (+80,02%)
      • Produtividade: 3,32 ton/ha (+76,63%)
    • Milho Grão
      • Área: 796,2 mil ha (+5,9%)
      • Produção: 4,32 milhões ton (+4,16%)
      • Produtividade: 5,43 ton/ha (-2,97%)
    • Feijão 1ª safra
      • Área: 37,4 mil ha (+1,23%)
      • Produção: 51,5 mil ton (-4,87%)
      • Produtividade: 1,37 ton/ha (-6,34%)
    • Feijão 2ª safra
      • Área: 23,4 mil ha (+0,82%)
      • Produção: 31,5 mil ton (+19,80%)
      • Produtividade: 1,34 ton/ha (=14,1%)
    • Milho Silagem
      • Área: 351,8 mil hectares (-0,66%)
      • Produção: 9,82 milhões ton (+8,84%)
      • Produtividade: 27,9 ton/ha (+9,33%)

    Fonte: Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural – Seapdr

    https://www.agricultura.rs.gov.br/inicial

  • SOJA: COLHEITA SE INTENSIFICA NO BRASIL E VALORES RECUAM

    O avanço da colheita de soja no Brasil, a melhora do clima na Argentina e a falta de cota para embarcar o grão nos portos nacionais pressionaram os valores internos e também os prêmios de exportação da oleaginosa na semana passada, conforme indicam pesquisadores do Cepea.

    No campo, em Mato Grosso, o baixo volume de chuva no início da semeadura de soja e, depois, o excesso das precipitações na colheita elevaram a quantidade de grãos avariados e com excesso de umidade, o que pode resultar em descontos nos valores pagos.

    No Paraná, produtores consultados pelo Cepea indicam que um pequeno volume dos primeiros grãos colhidos estava avariado, mas isso não deve impactar na produção total do estado.

    Já no Rio Grande do Sul, o déficit hídrico e o aumento dos casos de pragas e fungos nas lavouras de soja preocupam agricultores. O estado gaúcho é o que mais apresentou focos de ferrugem asiática nesta temporada.

    Fonte: www.cepea.esalq.usp.br

  • Atualizada plataforma de monitoramento de soja por satélite

    A plataforma de monitoramento de soja por satélite, chamada de SojaMaps, passou por atualização. A tecnologia desenvolvida pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) permite uma visão das áreas de soja do Brasil utilizando técnicas avançadas de sensoriamento remoto em nuvem.

    Na atualização foram acatadas sugestões de usuários de diversas partes do país e do mundo. O software permite agora a interação com os dados das áreas cultivadas com a cultura da soja e verificar se a saúde da planta e variáveis climáticas foram adequadas para a produção.

    Usuário pode interagir com os resultados mensais na plataforma e também a partir de dados como dados de seca, evapotranspiração e modelos de vegetação. A nova versão da plataforma conta também a partir de agora com dados atualizados ao longo do tempo do índice de vegetação EVI (Enhanced Vegetation Index) para qualquer lugar do estado de Mato Grosso. Essa série-temporal é capaz de mostrar para o usuário mudanças significativas no uso do solo, principalmente a conversão para agricultura.

    Uma novidade bastante aguardada é que, a partir de abril será disponibilizada a nova plataforma SpaceAgro. Este novo recurso trará aos usuários a capacidade de interagir com dados de uso do solo e clima para os dados vetoriais de seu interesse.

    Os dados da safra de soja 2020/2021 serão inserida no próximo mês, visto que a colheita no Mato Grosso ainda se encontra em andamento em boa parte do estado devido as altas ocorrências das chuvas.

    O SojaMaps foi criado no ano de 2015 como um projeto de extensão e de pesquisa do laboratório de Geotecnologia Aplicada em Agricultura e Floresta (GAAF), da Unemat, campus de Sinop (MT).

    Fonte: AGROLINK

    https://www.agrolink.com.br/

  • Parceria comercializa soja em plataforma de commodities

    Uma parceria entre a Orbia, plataforma que conecta produtores a distribuidores, e a multinacional de alimentos, Bunge, resultou na primeira comercialização totalmente digital de soja.

    A operação foi realizada por meio de uma plataforma de commodities. Em três meses foram movimentadas mais de 75 mil toneladas de soja. A parceria permite ao produtor rural negociar sua produção de duas formas: venda de grãos disponíveis e barter digital, em que os grãos são utilizados como pagamento na compra de insumos agrícolas.

    Roberto Marcon, diretor de Originação da Bunge, ressalta que a parceria é mais um passo na jornada de transformação digital da multinacional. “Estamos desenvolvendo e implantando soluções digitais em nossas principais áreas de negócio. Por meio da parceria com a Orbia, a Bunge se tornou a primeira trading do Brasil a realizar o processo de originação (compra) de grãos online, permitindo ao produtor rural realizar cotações, vender sua safra e assinar o contrato sem precisar sair de casa, com segurança e transparência em todos os processos”, afirma.

    As relações de troca que viabilizam a compra de insumos agrícolas com pagamento futuro em grãos já fazem parte do dia a dia dos produtores rurais. Inclusive um dos objetivos da parceria é justamente estimular as operações de barter digital.

    “As plataformas digitais no Agro estão gradativamente ganhando espaço e o interesse de nossos clientes. Essa tendência que aos poucos vai dominando o mercado”, destaca Paula de Mello, da Agrícola Alvorada, revenda que movimentou cerca de 45 mil toneladas em barter digital na Orbia.

    Texto: AgroLink

    https://www.agrolink.com.br/

  • Pesquisa apresenta soja tolerante ao percevejo

    Os percevejos são insetos sugadores com enorme potencial de ocasionar prejuízos em várias culturas como soja, milho, trigo, entre outras. Embora estejam presentes desde o período vegetativo das culturas, é no período reprodutivo que ocorrem os maiores prejuízos e podem impactar também a armazenagem dos grãos. Um percevejo, por metro quadrado, acarreta uma redução de 49 a 120 kg de grãos. Essa variação depende da espécie de percevejo, do clima, fase da cultura, da cultivar e de sua produtividade.

    Uma tecnologia da Embrapa apresenta a soja tolerante ao inseto. Chamada de Block, a ferramenta confere maior tolerância aos percevejos, o que minimiza a ação destrutiva da praga. Ela não dispensa o uso de inseticidas, mas permite uma melhor convivência com os insetos no campo. A adoção de cultivares tolerantes agrega força ao Manejo Integrado de Pragas (MIP-Soja).

    O pesquisador da Embrapa Soja, Marcos Rafael Petek, explica que a tecnologia suporta o dobro dos ataques da praga sem reduzir a produtividade. “A resistência genética da própria soja foi selecionada por melhoramento e traz maior tranquilidade ao produtor, principalmente em épocas de descontrole do percevejo, como em períodos de muita chuva onde não é possível pulverizar. E o produtor não paga a mais pela tecnologia. Ela já está embutida nas cultivares”, destaca.

     A tecnologia está associada às diferentes plataformas de cultivares de soja da Embrapa: convencional, RR e IPRO, com quatro cultivares disponíveis no sistema, sendo duas lançadas no ano passado e duas neste ano. “No caso da BRS 1003IPRO também há tolerância às lagartas e ao glifosato e tem ampla adaptação pelas regiões. A BRS 543RR é importante para o refúgio e recomendação também para várias regiões. Ambas têm ciclo precoce e ajudam contra os percevejos”, explica o pesquisador.

    As novas cultivares da tecnologia Block que chegam ao mercado são as convencionais BRS 523 e BRS 539.  A primeira é uma cultivar precoce e validada também no sistema orgânico. Já a segunda também é precoce e além da tolerância ao percevejo também tem resistência a Ferrugem Asiática.

     

    Fonte: AgroLink

    https://www.agrolink.com.br/

  • De onde sairão as 500 mil tons de soja nomeada do RS?

    Já existem mais de 500 mil toneladas de soja nomeadas para Rio Grande em março e a preocupação dos analistas é de onde essa soja vai sair, já que o Rio Grande do Sul só começa a colher na segunda quinzena de março. De acordo com a TF Agroeconômica, deverá  haver  um  aceleramento  das entregas no porto, com o consequente inflacionamento ainda  maior  do  frete,  que  já  está  muito  alto  e  outras despesas inerentes aos embarques.

    No Paraná, os fretes subiram de 60% a 70% no estado. “Normalmente o frete do interior do estado (de 600 km) até o porto  estava em  R$ 100,00/tonelada, mas, neste ano, os preços subiram astronomicamente. Veja abaixo a  nova  tabela  válida  para  esta  semana,  apenas  para  a região  Oeste  do  estado  até  Paranaguá,  mas  os  preços são  válidos  para  outras  regiões  quando  tem  a  mesma quilometragem”, indica.

    Em Minas Gerais, os preços estão parados assim como o mercado. “Tanto  Minas  quanto  Mato  Grosso  são  duramente impactados  pelas  variações  na  bolsa  por  se  basear  na exportação tão fortemente. Ademais, os preços estão lucrativos e é preciso esperar pela evolução da colheita. Hoje  soubemos  que  duas  categorias  cruzaram  os  Braços  em  Minas  gerais,  transportadores  de  combustível  e motoristas de caçamba, já falta combustível em vários locais do estado de Minas Gerais”, conclui.

    Fonte: Agrolink.

  • Por que pode ocorrer mofo branco em regiões sem histórico?

    O mofo branco, causado pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum, é comum na Região Norte do Rio Grande do Sul (RS), especialmente em áreas com altitudes acima de 600 m. No entanto, nas últimas safras, sintomas da doença foram observados em regiões sem histórico, com altitudes em torno de 200 m. Seria este um reflexo da adaptação do fungo?

    Conforme a Pesquisadora e Fitopatologista da CCGL Caroline Wesp Guterres, a resposta é não! Este é um indício de que temos inóculo de mofo branco amplamente disseminado em diferentes regiões do estado, basta apenas que existam condições de ambiente que favoreçam a manifestação dos sintomas para a doença ocorrer. – Com umidade prolongada e temperaturas noturnas amenas (abaixo de 20 °C), escleródios de Sclerotinia germinam, formando apotécios, que dão origem aos ascósporos, esporos que atingem as flores da soja, dando início aos sintomas da doença. Além disso, uma vez que as cultivares de soja indeterminadas vêm apresentando um longo período de florescimento, o período propício para a infecção também se torna mais amplo – explica Caroline.

    A pesquisadora salienta que esse inóculo pode estar sendo disseminado nas lavouras através da falta de qualidade das sementes de soja não beneficiadas ou salvas e de outras culturas suscetíveis, como algumas culturas de cobertura. – Estes escleródios podem permanecer no solo por diversas safras, aguardando condições de ambiente favoráveis para a manifestação dos sintomas da doença. Além do escleródio, o mofo pode sobreviver na forma de micélio no interior das sementes. Sendo assim, a qualidade da semente de soja e de outras culturas suscetíveis ao mofo é de extrema importância. Ainda, a realização de tratamento de sementes com fungicidas específicos para o controle mofo branco em sementes oriundas de áreas com histórico da doença é medida imprescindível – completa a fitopatologista.

    Conforme Caroline, a prática da rotação de culturas com gramíneas (milho e cereais de inverno) é fundamental para o controle da doença. Além disso, manter a lavoura livre de espécies daninhas reduz de forma significativa o inóculo de mofo. – Diversas espécies daninhas, como buva e nabiça, são suscetíveis ao mofo branco, servindo como fonte de multiplicação de inóculo. A presença de uma boa camada de palhada é outra medida de manejo, além de atuar como barreira física, a pouca luminosidade conferida pela cobertura morta, principalmente de gramíneas, permite que os escleródios sejam destruídos mais rapidamente, através da ação de microrganismos antagonistas. Nessa linha, o controle biológico também tem se apresentado como alternativa eficiente para minimizar o avanço do mofo branco – reforça a pesquisadora. Soma-se a essas medidas o controle químico em parte aérea com fungicidas específicos – conclui a fitopatologista. Para mais informações, procure a CCGL ou técnico de sua cooperativa.

    Fonte: CCGL.

  • Lavouras de soja são monitoradas no RS

    Na última semana a equipe da Emater/RS-Ascar de Novo Tiradentes realizou visitas de monitoramento e acompanhamento técnico em lavouras de soja do município. Na grande maioria das lavouras a cultura encontra-se em fase de enchimento de grãos, apresentando boa sanidade e demonstrando alto potencial de produtividade.

    O extensionista rural Luciano Schievenin alerta aos produtores sobre os possíveis ataques de pragas e, principalmente, ao aparecimento de sintomas de doenças, as quais poderão ser evitadas com tratamento preventivo, para evitar perdas na produção. “O produtor também deve observar o intervalo entre uma aplicação e outra e procurar realizar uma aplicação adequada, observando fatores climáticos como umidade, vento e temperatura. É importante avaliar o bom funcionamento do pulverizador, escolher ponteiras adequadas, realizar a limpeza dos bicos, calcular o tamanho de gota e manter o pulverizador sempre bem calibrado”, observou Schievenin.

    Com a finalidade de auxiliar os produtores no manejo da Ferrugem Asiática da Soja (FAS) no RS, a Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, à qual a Emater/RS-Ascar é vinculada, e em colaboração com laboratórios privados, instituições de ensino e pesquisa do Estado, iniciou um projeto piloto para o monitoramento de esporos de ferrugem asiática da soja nas regiões produtoras. Na safra agrícola 2020/21 esta ferramenta se aprimora com a inclusão de informações relativas às condições meteorológicas (precipitação pluvial, temperatura e molhamento foliar), dando início ao Programa de Monitoramento da Ferrugem Asiática da Soja no RS – Programa Monitora Ferrugem RS.

    O objetivo do Programa é desenvolver uma ferramenta de suporte ao manejo da ferrugem asiática da soja e, desta forma, auxiliar os produtores na tomada de decisão do momento inicial da aplicação preventiva de fungicidas para o controle da FAZ e contribuir para a diminuição do uso de fungicidas, dano ambiental e custo econômico das lavouras de soja.

    O Programa Monitora Ferrugem RS tem como estratégia metodológica a detecção da presença de esporos, associada às condições meteorológicas, para gerar mapas indicativos de predisposição da ocorrência da FAS e auxiliar técnicos e produtores na tomada de decisão e adoção de medidas de manejo da doença. Produtores interessados em mais informações sobre o programa e orientação técnica para o manejo da cultura da soja, devem entrar em contato as equipes da Emater/RS-Ascar do seu município.

    Fonte: Agrolink.